sexta-feira, 21 de julho de 2017

A Fé em DEUS


A Fé em DEUS não é mais do que o aceitar que temos novos dons quando deixamos a vibração do medo e da dualidade. Durante muito anos a Humanidade viveu sobre o domínio da dualidade e por isso aceitou a percepção que lhe era transmitida e que a colocava como vítima das circunstâncias externas a si.

Imaginem que têm as mesmas capacidades de criação que DEUS. Que ao contrário do que a vossa mente vos tenta mostrar, são capazes de atrair e criar a vossa realidade e são os únicos responsáveis por isso. Então toda a adversidade não passa de desafios que vós próprios criam para as poderem superar aprender e sentirem-se felizes por isso.

Não se esqueçam que a Terra é um planeta “escola” na vossa evolução espiritual. Vejam que todo o sofrimento não passa de falta de fé que têm em vós mesmos sobretudo na superação dessa adversidade que atrairam ou co-criaram na vossa caminhada.

Por isso, perante algo que se torna num verdeiro obstáculo, habituem-se a pensar como DEUS pensaria. Não há que ter medo, não se tornem vítimas de vós mesmos.

Não há que pensar como Humano quando se tratam das coisas de DEUS, e o que é que pensas que és afinal? Quando DEUS co-cria convosco para mudar a vossa vida podem ter a certeza que há sempre coisas que vos passam despercebidas. Coisas, que vos parecem completamente impossíveis, coisas que darão voltas estranhas para se converterem na vossa realidade.

Não façam alterações no vosso caminhos por causa do medo porque obviamente estarão a co-criar a vossa realidade baseada nele e o vosso intelecto funcionará conta vós, gritando-vos ao ouvido e acabando por se instalar em vosso coração. Assim, não terão a possibilidade de materializarem o vosso “milagre”.

Assumam toda a responsabilidade por tudo o que vos acontece na vossa vida como algo que criaram para aprender a serem melhores e poderem atingir níveis mais elevados de vibração. Fiquem atentos aos sinais e acreditem em vós como sendo os únicos que poderão superar todas as dificuldades. Aceitem que são parte de DEUS! Assim em pela comunhão com ELE, aceitem que estão co-criando a vossa realidade em cada momento. Desejem profundamente superar essa dificuldade, essas crises e visualizem como poderão sair dela mas sem fazer suposições, sem medo, sabendo que irão encontrar a solução, só que ainda não a viram.

Observem a vossa mente cuidadosamente, mantendo-a atenta no agora e vivendo o presente como parte do processo que vos levará para além do verdadeiro obstáculo.


Então verão o verdadeiro milagre da co-criação. Verão a DEUS todo poderoso manifestando-se através de vós em toda a SUA plenitude e dimensão. Darão graças a DEUS que está em vós. Sentir-se-ão Unos com ELE.

Encontraram finalmente a verdadeira FÉ.


Que o AMOR de MÃE /PAI esteja sempre convosco.

Sintam-se profundamente amados por ELE... e

Fiquem bem.

(A Mónada)

domingo, 16 de julho de 2017

A Fórmula da Paciência


Hoje venho aqui falar-vos de um tema muito sensível neste tempos que correm. Eu ainda não me identifiquei e por isso começo por o fazer. Eu sou a Mestra NADA e venho falar-vos hoje da Paciência.

Como o meu nome indica, nada significa todo o Potencial ainda não realizado e se ele não está realizado, é porque ainda não se transformou numa obra de criação, mas para que a obra seja perfeita precisam de cocriar com Deus.

No entanto todas as obras Divinas não se compadecem com uma dimensão que bem conhecem e que é típica dos seres humanos – o tempo. Para vós, seres humanos, até parece que o tempo vos falta. Para Deus, neste plano, o tempo não conta. Verdadeiramente o tempo não existe. Vocês não são capazes de perceber, de conceptualizar e envolverem-se sem a dimensão do tempo. Só há uma forma, uma fórmula mágica de começar a aceitar a não variável tempo na vossa vida.

Chama-se a fórmula da: Paciência de que vos falarei mais à frente.  

Vão ter de ter paciência convosco mesmo, com as vossas imperfeições, com os vossos erros, com as vossas ausências, com as vossas dores, com as vossas tristezas, enfim poderia enumerar milhares e milhares de situações para as quais a paciência é a melhor virtude, das diversas virtudes que a alma humana pode adquirir.

Mas poderão dizer-nos que: “Não!. A minha energia não se coaduna com ter paciência” . Pois então saibam que aqui neste plano, como o tempo não existe, a paciência é infinita e por isso existe também a Misericórdia Divina, cuja dimensão é também infinita. E isto é o resultado da Paciência e da Tolerância.

Mas agora poderão perguntar-me: “A Paciência tem limites?”.

Tudo tem limites, até o Universo que vos parece infinito tem limites. Por isso a paciência também tem limites, mas quanto mais abrangentes forem esses limites, quanto mais distante eles forem, mais o vosso Ser pode manifestar-se, com elegância, com doçura, com Amor, com sabedoria e esta é a vantagem principal de serem pacientes. Esta é a lição que este momento energético vos traz com maior profundidade e a primeira das paciências e das tolerâncias que têm de ter é convosco.

Ser tolerante cujo pressuposto é ser paciente, não é a mesma coisa que ser distante e muito menos será ser indiferente. A paciência traz a capacidade de ouvir, de observar e a sublime capacidade de viverem no “Aqui e Agora” sempre que precisarem. A paciência traz-vos a calma, devolve-vos a autoestima e o amor próprio que se desgasta quando se irritam e enervam convosco próprios, nomeadamente com as vossas incapacidades, com o vosso “não fazer” ou muitas vezes “não saber fazer”, perante o erro que surja, ou ainda, perante outras situações que se vos deparam no vosso caminho.

Tudo quanto resolverem com paciência e tolerância irão verificar que se aplicará a perfeição Divina. Isto significa que a perfeição Divina só se obtém com paciência que é um dos seus principais atributos.

É curioso e provavelmente nunca fizeram esta ligação. O que é a Paciência?

É aquilo que resulta da aplicação de dois grande conceitos ou se quiserem atributos da Alma Humana. A primeira é a PAZ e a outra é a Ciência, que aqui significa sabedoria.

Paz + Ciência = Paciência.

Assim se obtém a Paciência.

É com muita paciência que gostava que lidassem convosco e com todos aqueles que estão à vossa volta, sem se irritarem, sem permitirem que o vosso Ego expluda em várias formas emocionais exuberantes. Usem a sabedoria para olharem para todas as coisas e usem a Ciência para realizarem tudo aquilo que tiverem de fazer e vivam em PAZ.

Agora resta-me agradecer-vos a vossa paciência em me ouvir e ler.

Até á próxima!

Canalização da Mestra NADA pela (A Mónada)  

quarta-feira, 12 de julho de 2017

A Luz de Deus


"«Eu sou a luz do mundo», dizia Jesus. A luz do mundo é o sol. Mas o Cristo é infinitamente mais do que o sol. Para além da luz visível do sol físico, existe uma outra luz que é a verdadeira luz do sol, o espírito do sol. Era a essa luz que Jesus se referia e era com ela que ele se identificava. E, do mesmo modo que a luz material nos permite ver os objectos do plano físico com os nossos olhos físicos, a luz interior, a luz do Cristo, dá-nos acesso à visão do mundo divino.

Nós devemos procurar aproximar-nos dessa luz, aprender o que ela é, como viver com ela e nela, trabalhar todos os dias para captar as suas partículas ínfimas e condensá-las em nós... até ao momento em que seremos capazes de as projectar como raios sobre os seres e os objectos do mundo invisível, que então veremos na sua realidade sublime."

Texto de Omraam Mikhaël Aïvanhov…

A Luz do Mundo é Jesus e Ele é por si só é o garante da cristificação de todo o Planeta. Só através dele entraremos no reino do Pai/Mãe. Neste texto Omraam ensina-nos que existe em cada um de nós uma visão interior, que os olhos físicos são incapazes de captar, mas que nos dá acesso à visão do Mundo Divino.

O significado desta Luz não é aquela que os físicos normalmente dão ao tentarem descrever as suas características físicas, mas antes a Mente da imensa sabedoria e AMOR Divino que ela encerra.

A Luz é por isso a Energia Amorosa que já existe em nós e que teimamos em não a querer ver ou sentir. É a mesma Energia que faz com que toda a organização molecular e celular possa suportar a Vida creadora que nós somos.

Se alguém descobrisse um vulgar relógio de pulso em Marte… então todos iriam assumir a existência do seu dono ou creador, naquele planeta algures no tempo, pois a ninguém passaria pela cabeça que ele tivesse sido construído e assemblado por um qualquer acaso cósmico. Ora o Ser Humano é uma “máquina” biológica milhões de vezes mais complexa. Assim sendo, como é que pode ser possível que possamos apenas acreditar na teoria Darwinista da evolução das espécies, para explicar a existência do Homem na Terra.

É claro que a Vida consciente, tal como a Vida biológica tem uma evolução… mas isso não nos inibe de pensarmos que alguém ou alguma coisa foi o seu creador e que tem vindo com AMOR a abraçar toda a evolução das diversas espécies de vida na Terra, que deram origem à criação da consciência racional do Ser Humano.

Mas toda a Vida tem uma energia extremamente inteligente que habita em todos os Seres. 

Jamais moléculas inertes terrestres saberiam como se ordenar e moldar só por si, para poderem vivenciar o mundo das formas em que experienciamos a matéria e assim criar obras, pensamentos e emoções, como só nós o conseguimos fazer.

Esta é a Luz de Deus!

Mas tal como nos dizia o autor, é preciso aproximarmo-nos dessa luz, aprender o que ela é, como viver com ela e nela, trabalhar todos os dias para captar as suas partículas ínfimas.

Só assim veremos e viveremos na sua realidade sublime.

Sintam-se sempre muito amados…


Fiquem bem

(A Mónada)

sábado, 8 de julho de 2017

O Diamante de LUZ que TU és...


Hoje venho falar-te de pedras preciosas. Daquelas cujo o brilho te encanta e que nesse mesmo encantamento até descobres o teu reflexo enquanto filho de Deus.

Sim! Tu és filho de Deus e como seu filho, foste gerado e criado à sua imagem e semelhança, com determinadas características essenciais que conjugadas com as circunstâncias e limitações da tua condição Humana, te tornaram um Ser único a nível Cósmico.

Tu és esse Ser maravilhoso que assumiu encarnar, para manifestar na fisicalidade obras de criação únicas que só assim poderiam existir. Tu escolheste passar pelo portal do nascimento físico e assumires-te como criador, tal como Mãe/Pai o são. Tu és por isso imensamente e profundamente amado.

Aos olhos de Mãe/Pai tu és como uma pedra preciosa, com todo o potencial cósmico que encerra a tua essência Divina. No entanto, há que trabalhar esse potencial, há que torná-la numa verdadeira antena da vontade de Deus.

Para tal tu tens de mudar. Tu aí que viajas nesta nave connosco… Tens de mudar…

Tens de abrir o teu coração e colocar AMOR em tudo o que fizeres pois só assim é que Deus se pode manifestar por ti. Deus é só AMOR. Tu és essencialmente AMOR.

Mas continuas a teimar em manter os teus apegos materiais. Em continuares a alimentar esse Ego. Teimas em reagir pela culpa e pelo medo. Teimas em tornar os teus dias repletos de ilusão e assim ofuscar a imensa LUZ que mora dentro de ti.

Como??!?? Perguntar-te-ás…

Deixa para trás todas essas cargas emocionais que coleccionaste ao longo da vida. Deixa os teus bens materiais… não precisas de lhes dar tanta importância assim. Deixa as tuas mágoas e pesares. Deixa de controlar os outros. Quando nos referimos “deixar” não significa abandonar o que o Universo de alguma forma te trouxe. Apenas transmutar apegos, mágoas, medos, culpas, ódios, egoismo, avarezas e tudo o mais que te densifica, em simples e puro AMOR.

Começa já hoje por simplesmente observar e observar-te… sentir essa presença Divina que tu és… AMAR o que é a tua Presença, sem objecções, críticas ou julgamentos. Vive essa LUZ. Vive nessa LUZ.

Não te esqueças que tu és filho de DEUS e que tal como Mãe/Pai, tu, o Filho, encarnaste como Ser Humano para contribuíres para a Ascensão Planetária. Para que todos… todos como tu e eu… todos os nossos irmãos possam ser livres e possam Ascender.

Então sim… tu vais tornar-te num verdadeiro instrumento Divino. Tu ligado a ELE percebes finalmente que és UNO com ELE e com TODOS. Que és um cristal límpido e brilhante. Tu és o cristal que DEUS quer, porque simplesmente tu és ELE e por isso não podes mais manter-te separado DELE.

Nessa altura tornas-te num Ser encantador. A tua Aura estende-se e vibra com muita intensidade a ponto de se poder tornar visível. Tornas-te num verdadeiro diamante, brilhando intensamente e difundindo raios de luz de várias cores. E os milagres acontecem.

Aí muitos verão Deus em ti e tu serás pura energia Crística em acção.

Tu sentir-te-ás profundamente e plenamente Amado.


Fica bem…


(A Mónada)

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Abundância


"Muitos dos sofrimentos de que os humanos se queixam advêm de eles quererem apossar-se do que pertence a outros: objectos, terrenos, homens, mulheres, situações, etc. E, evidentemente, é aos outros que eles atribuem as culpas, por os considerarem um obstáculo às suas cobiças e às suas ambições. Mas nunca conseguirão ver-se livres desses sofrimentos se não começarem a compreender que são eles próprios que os provocam.

Todos os humanos conhecerão este tipo de sofrimentos enquanto não tiverem compreendido que nada do que eles possuem ou desejam possuir pode proporcionar-lhes a verdadeira felicidade. Alguém sofre porque não tem meios, porque se sente fraco ou doente, porque é ignorante, ou feio, ou está só; mas possuir riqueza, poder, saúde, saber, beleza, e estar rodeado por muita gente, nunca impediu ninguém de sofrer. Por vezes, até se fica surpreendido ao se descobrirem os sofrimentos interiores com que se debatem homens e mulheres de quem se diz que têm tudo para ser felizes. Sim, eles têm tudo menos o essencial: a necessidade de viver a vida espiritual, sem a qual não poderão ter a verdadeira felicidade."

Neste texto Omraam Mikhaël Aïvanhov volta a falar da nossa ilusória necessidade de posse. Ilusória porque mesmo em termos físicos, legais e terrenos, o que julgamos possuir hoje, por qualquer circunstância, poderemos já não possuir amanhã.

Pois saibam que há povos, que por diversos motivos, nunca aculturaram essa necessidade de ter ou ser em termos sociais. Falo-vos de diversos povos africanos, onde claramente o importante não é a posse mas sim o usufruto que se tira de, em cada momento, se poder dispor de algo que nos facilite a vida ou que nos possa dar prazer.

No entanto, nas civilizações ditas mais desenvolvidas, não só existe essa espécie de necessidade de ter mais e mais, como a cobiça e ambição de as querer subtrair aos outros, como se com o mal dos outros se ficasse de alguma forma melhor, sobretudo, tendo mais ou tendo algo que o outro não o tem, ou que sendo único nos pode evidenciar ou exclusivisar perante a sociedade.

Acham isto demasiado mau?!?!?!... e que nada tem que ver com o vosso actual estado de desenvolvimento espiritual?

Olhem como se vestem, por exemplo, e como escolhem a roupa que compram?

Tu aí que já és terapeuta e que ajudas os outros a equilibrarem-se em termos energéticos vê como anuncias o que fazes e como te procuras diferenciar dos demais que podem fazer rigorosamente o mesmo que tu? Julgas-te único e especial? E o que pensas ser isso?

Claro que ao integrarmos estes apegos no nosso Ego e no momento em que os mesmos nos forem retirados… isto vai causar-nos  dor e sofrimento… Por isso o autor refere com muita clareza que “possuir riqueza, poder, saúde, saber, beleza, e estar rodeado por muita gente, nunca impediu ninguém de sofrer.”

Pode até parecer-te muito estranho, mas acredita que quanto mais se tem ou se julga ter, seja do que for, maior será a dor e o sofrimento, pois nada possuis de facto. Apenas podes e deves usufruir do que o Universo coloca à tua disposição para concretizares o propósito Maior da tua Vida… e esse… quer o aceites ou não... é AMAR…

O AMOR é a única coisa que importa e que te trará felicidade. Para isso terás de O descobrir dentro de ti… e essa é verdadeira e única fonte de toda a riqueza que poderás possuir nesta Vida.

A riqueza de estares VIVO, de poderes co-criar mais e mais AMOR à tua volta.

E… só assim… te poderás sentir, afirmar… e decretar.

Muito AMADO EU SOU, AMADO EU SOU, AMADO EU SOU!

Fica bem

(A Mónada)